Booger Network

Sobre a Rede

Booger Network é uma compilação de blogs dispostos em diversas categorias. Estamos em fase de expansão e em breve teremos mais blogs e diferentes categorias.

Anuncie

Integer erat orci, congue sed feugiat eu, pharetra in tellus. Nulla vel est et mi fermentum ullamcorper at a justo. Fusce scelerisque nisi vehicula mauris placerat quis accumsan dolor adipiscing. Donec tempus, nibh ut volutpat fermentum, mauris sem imperdiet ante, at dignissim magna tortor in dui. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.

Contato

Blogueiros

Praesent ac elit metus. Ut sed sem nec lorem fringilla molestie a vel risus. Phasellus a commodo felis. Praesent at libero velit.

Leitores

Donec facilisis, sapien ut elementum faucibus, justo urna dignissim sapien, vel elementum lorem est euismod nisi.

Anunciantes

Fusce vitae nunc mi, quis faucibus orci. Nam id lorem justo. In arcu lectus, commodo eget pharetra sed, rutrum quis sapien.

Arquivo do Autor | Vanessa

Vanessa escreveu 2666 artigos neste blog.

Quando você acha que já viu de tudo...

por em 12/06/2013 às 16:07

1011162_621817477829091_914290110_nSerá que demora muito para faltar ar?

Do Não Salvo

Sobre você

por em 12/06/2013 às 9:13

9889_394104640707277_1358330636_n

Comercial de Preservativo Africano

por em 11/06/2013 às 17:14

E houveram boatos…

Mosaico da sexualidade: Curitibano é o que menos faz sexo

por em 10/06/2013 às 19:50

ÍndiceCuritibano é o que menos faz sexo. Esse foi o título da matéria que estampou uma das páginas do maior jornal da capital paranaense nesta segunda-feira. A pesquisa foi patrocinada pela Pfizer e teve 8.237 pessoas entrevistadas em dez cidades brasileiras ao longo de 2008.

Para justificar foi dito que a “personalidade fechada e conservadora tem reflexos no comportamento afetivo e sexual dos curitibanos”. Comparando então com outras capitais brasileiras ficaram na última colocação no quesito “Quem faz mais sexo?”.

Para a responsável pelo estudo, a professora Carmita Abdo, coordenadora do Projeto Sexualidade do Instituto de Psiquiatria do Hospital de Clínicas de São Paulo, a pesquisa mostra bem as diferenças culturais e comportamentais das diferentes regiões do Brasil. “O sexo não é um assunto que faz o curitibano perder a cabeça. Em outras pesquisas já demonstramos que o curitibano é o povo mais fiel. Ele valoriza o sexo, mas não tanto como os mineiros, por exemplo”, comenta.

Alguns dados chamaram a minha atenção na pesquisa:

SOBRE AS CURITIBANAS:
- Apenas 43% diferenciam sexo de amor;
- Têm em média 2,1 relações sexuais por semana;
- 7,1 % se dizem insatisfeitas em relação à vida sexual;

SOBRE OS CURITIBANOS:
- São os que menos usam preservativo;
- São os mais conservadores quanto ao sexo sem envolvimento;
- São os que tem o menor número de parceiras significativas ao longo da vida;
- São os que mais conversam sobre sexo com a família;
- Têm em média 2,7 relações sexuais por semana;

Já no cenário nacional os dados foram os seguintes:

Continue lendo →

Bonecas de quatro

por em 10/06/2013 às 14:55

deqauHoje vou falar de coisa séria: vou falar de mulher. Aliás, nem tanto, pensando bem. Vou falar de feministas e muitas dessas não são exatamente mulheres. E também de gente que quer fazer meninas brincarem com carros e meninos com bonecas em nome da “tolerância“. Até quando vamos ter que tolerar esses maníacos em zoar a vida dos filhos dos outros?

O fascismo nunca perde força. Em nome de uma educação para diversidade, os fascistas de gênero agora querem se meter nos brinquedos das crianças.

Quando será que a maioria silenciosa vai dar um basta nessa palhaçada pseudocientífica chamada teoria de gênero na sua versão “hard” (engenharia psicossocial do sexo)? Quando vamos deixar claro que essa coisa de dar boneca para meninos quererem ser meninas é, isso sim, abuso sexual?

Quem sabe, quando as psicólogas e pedagogas tiverem coragem de parar de brincar com a sexualidade infantil fingindo que acreditam nessa baboseira de trocar os brinquedos de meninas com os dos meninos e vice-versa.

Mas, vamos aos fatos. Há alguns anos, assistia eu um pequeno festival de curtas sobre diversidade sexual quando ouvi uma das maiores pérolas desta pseudociência do sexo.

O curta abria com uma cena de sexo em uma cadeia. Um casal, um homem e um travesti, faziam sexo. O travesti de quatro, o homem por trás. Os dois gozavam ao final. O curta seguiu seu curso, mas não é o filme em si que me chamou atenção.

Continue lendo →

Sou uma mulher daquelas...

por em 10/06/2013 às 10:43

954756_582798691754697_1080442024_nQuem eu sou? Sou aquela que anda toda desleixada pela rua, mas que logo na segunda-feira adora se maquiar como se estivesse indo à balada. Sou a que nem sempre está com as unhas bonitas e quem dirá com humor definido. É, tem dias que basta um pingo de água para mudar o meu estado de espírito.

Sou aquela que tem várias roupas de boutique, mas muitas (para não dizer a maioria) roupas de brechó. Falando em roupas, adoro usar as do meu marido. Muitas vezes isso o deixa muito irritado por customizar uma camiseta que ele goste. Só que com o passar dos dias, ele sempre acaba cedendo, e confessando, que fica muito melhor em mim.

Minha casa? Ah, ela nunca foi um lugar que pode ser considerado como bom exemplo. É toda bagunçada com roupas e brinquedos dos meus filhos jogados para todos os lados.

Adoro cozinhar e odeio lavar a louça. Na mesma proporção que adoro ler um bom livro e odeio esses programas fúteis que são exibidos na televisão. Sou daquelas que se os filhos desejam comer alguma coisa não vou impedir, mas que ensinou eles desde pequenos o que é saudável. Por isso, hoje, não preciso “obrigar” ninguém a ingerir verduras e legumes.

Continue lendo →

Meu namorado não me dá mais atenção...

por em 8/06/2013 às 0:18

Ele-não-me-dá-mais-atenção.-Será-que-tem-outra“No começo do meu namoro tudo era lindo: ele era sensível, me compreendia e eu sentia que gostava da minha companhia. Depois que oficializamos o relacionamento ele virou outra pessoa. Parece que passou a ter uma vida de solteiro: ficou extremamente indiferente, inventa desculpas para não nos encontrarmos, amigos se tornaram prioridade e começou a sair direto sem mim. Em resumo parou de se entregar e não é mais aquela pessoa romântica que conheci. Cheguei a conversar com ele sobre isso e a resposta foi que me amava muito. Só isso. Nada mudou. Eu não sei mais o que fazer porque isto está me machucando. Não quero terminar. Será que o problema sou eu? O que eu faço? Não sei se devo manter esperanças e acreditar que tudo voltará a ser como antes”.
Denise

O início de um relacionamento é sempre sedutor. Muita paixão, desejo e vontade de saber tudo sobre o outro. São milhões de mensagens, ligações e ousamos até nos submeter a coisas que nunca tínhamos feito. Em seguida a tendência é que essa empolgação seja substituída por uma fase de estabilidade. Foi o que ele fez: assumiu o namoro e você passou a fazer parte do círculo familiar. Nessa hora, teoricamente, você já está garantida e não precisa mais de tanta atenção.

Eu sei que existem vários que desprezam as parceiras depois de um certo tempo. Elas ficam quase que como última opção. A primeira coisa que acredito que deve ser pensado aqui é: se você não está satisfeita (e o descreve como um tremendo insensível) qual o motivo que a leva insistir nisso? Se o cara não me trata bem simplesmente saio de perto. Não suporto relacionamentos egoístas. Acontece que de tanto os homens terem essa ideia, de deixar a namorada para depois,  passamos a aceitar a condição.

Diariamente milhões de mulheres largam as amigas de lado (sem pensar duas vezes)  por causa de um pinto. Não seja essa pessoa. Quando o cara não valoriza quem tem, deixe ele ir e mantenha seu rumo. Não empobreça sua vida, caso contrário você vai deixar de ser interessante.

Continue lendo →

Estatuto do Nascituro - Sensibilidade do Estado

por em 7/06/2013 às 0:13

Que Estado sensível, né? Se você ainda não sabe o que é isto, leia aqui.

946480_401016686679433_1502667396_n

Via OCarlitos

E agora?

por em 6/06/2013 às 16:24

facebook_998916624

:O

Homem sabe ser rejeitado?

por em 5/06/2013 às 22:13

imagesExistem homens que vão morrer “frustrados anônimos“. Eles não estão preparados para serem rejeitados por uma mulher. Quando derrubados não sabem nem por onde começar a levantar.

As mulheres vivem ciclos e estão acostumadas com estas coisas (olhe quantas revistas e blogs tratam deste assunto). Já eles, ao levar uma rasteira daquelas, não sabem da onde veio a porrada. Não me refiro a tombo dado por namoradinha de fim de semana que troca o sujeito por qualquer um com mais atributos. É pancada de mulher mesmo. Daquela que ele vai levar para sempre. Já vi centenas ficarem lá estirados no chão tentando entender onde erraram. E quase nunca descobrem. O que acarreta tornar um círculo vicioso de erros nos relacionamentos seguintes.

O que talvez eles não saibam é que dá sim para levantar. Nada que o tempo, amigos, cervejas e muitas mulheres não resolvam. Enquanto isso, acabando pegando tanta repulsa dos relacionamentos que se tornam os mais escrotos dos seres. Isso quando não descontam em quem não deve. Não adianta: ele ficará marcado pro resto da vida.

E tem mulher que vem me dizer que homem não tem sentimento. Como não? Basta olhar pro lado pra ver quanta gente está levando na cara sem piedade. Isso acontece o tempo todo.

Mulheres são eternamente inseguras e inconstantes. Adoram olhar para os lados. Dificilmente têm paciência para a insegurança masculina. Logo elas que são completamente apaixonadas num dia e de saco cheio no outro. Então quando pegam um homem, e sentem que têm o poder nas mãos, o destroçam.

O que não pode é desistir de sentir. Afinal, precisamos de alguém que nos dê um tranco e cale nossa boca. Há essa necessidade de cair pra poder levantar e seguir em frente. E isso não é específico para um dos gêneros. Acredite, existe alguém que vai te fazer perder a vontade de olhar para os lados…

 

Em outra

por em 4/06/2013 às 22:56

557944_607286295965558_1111695893_n