Booger Network

Sobre a Rede

Booger Network é uma compilação de blogs dispostos em diversas categorias. Estamos em fase de expansão e em breve teremos mais blogs e diferentes categorias.

Anuncie

Integer erat orci, congue sed feugiat eu, pharetra in tellus. Nulla vel est et mi fermentum ullamcorper at a justo. Fusce scelerisque nisi vehicula mauris placerat quis accumsan dolor adipiscing. Donec tempus, nibh ut volutpat fermentum, mauris sem imperdiet ante, at dignissim magna tortor in dui. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.

Contato

Blogueiros

Praesent ac elit metus. Ut sed sem nec lorem fringilla molestie a vel risus. Phasellus a commodo felis. Praesent at libero velit.

Leitores

Donec facilisis, sapien ut elementum faucibus, justo urna dignissim sapien, vel elementum lorem est euismod nisi.

Anunciantes

Fusce vitae nunc mi, quis faucibus orci. Nam id lorem justo. In arcu lectus, commodo eget pharetra sed, rutrum quis sapien.

Marcha das Vadias

por em 29/05/2012 às 10:50

Feminices, Malvadas, Notícias

Você já deve ter ouvido falar sobre a Marcha das Vadias. É uma ver­são bra­si­leira da SlutWalk que aconteceu no Canadá, pas­sou pela Argentina, Estados Unidos, Inglaterra, Holanda e Nova Zelândia. Aqui no Brasil levou algumas mulheres à Avenida Paulista para pro­tes­tar con­tra o machismo e a culpa atri­buída às mulhe­res em casos de estu­pro.

Agora um grupo das manifestantes querem ir às ruas protestar contra esta violência visto que as queixas de abuso crescem absurdamente.

Nós, do Malvadas, apoiamos qualquer causa que tente inibir o abuso sexual e violência. Todos temos direito de ser livres sem prejudicar as outras pessoas. Por isso, vale a pena saber mais sobre esta manifestação.

Como tudo começou
A pri­meira Slutwalk acon­te­ceu no iní­cio do ano de 2011 em Toronto, no Canadá. Durante uma pales­tra sobre segu­rança em uma uni­ver­si­dade, um poli­cial disse que as estu­dan­tes deve­riam evi­tar se ves­tir como vadias (sluts) para não serem esco­lhi­das para o estu­pro. Depois, veio a res­posta: as mulhe­res cana­den­ses colo­ca­ram a banda (e o corpo) na rua para dizer que sim, podem se ves­tir como qui­ser, e a culpa dos abu­sos sexu­ais e estu­pros é do agres­sor, não da roupa que elas colocam.

No Brasil, o evento che­gou na metade do ano passado e Solange De-Ré, que criou a mar­cha com o noivo e artista musi­cal Edu Udek (42) e a amiga e publi­ci­tá­ria Madô Lopez (28). Informados da SlutWalk cana­dense, eles resol­ve­ram implan­tar essa ideia no Brasil. “Esperávamos de 50 a 100 pes­soas. Quando vimos, deram duas mil. Daí veio a neces­si­dade de maior orga­ni­za­ção: cui­da­mos do poli­ci­a­mento e da cober­tura da mídia, para dei­xar o evento o mais bem divul­gado e pací­fico pos­sí­vel”, conta Solange.

Tudo foi divul­gado no Facebook e, um dia antes de acon­te­cer, o evento con­tava com mais de seis mil confirmados. No sábado, dia 04, em que acon­te­ceu a SlutWalk bra­si­leira, foram 300 pes­soas, segundo da Polícia. Junto ao Brasil Chicago e Los Angeles (EUA), Edmonton (Canadá), Estocolmo (Suécia), Amsterdã (Holanda) e Edimburgo (Escócia) tam­bém rea­li­za­ram a cami­nhada. A reper­cus­são no exte­rior, no entanto, foi muito maior.

Na vés­pera da mar­cha bra­si­leira, em entre­vista à Revista O Grito!, Solange De-Ré con­tou sobre suas ideias e, claro, sobre a Marcha das Vadias.

“Vadia” não é uma pala­vra muito forte?
É. Mas que­ría­mos tra­du­zir a SlutWalk para o por­tu­guês. Quisemos ir a fundo no sen­tido e uti­li­zar a pala­vra que mais tinha a ver com o nosso idi­oma e repre­sen­tava o que mui­tos bra­si­lei­ros acham das mulhe­res que se ves­tem de forma mais pro­vo­cante: umas vaga­bun­das acéfalas.

Quais as prin­ci­pais ideias que a Marcha defende?
Defende que a mulher, inde­pen­dente de como se veste, merece res­peito. Devemos aca­bar com essa cul­tura da vio­lên­cia à mulher, da culpa pelo estu­pro. E tam­bém a opres­são. As pes­soas ficam ini­bindo as outras por causa do pre­con­ceito. Se, por exem­plo, uma guria usa um ves­tido mais colado e a outra já sente ciúme do namo­rado e chama de vadia. Temos de repen­sar isso. Reconsiderar os nos­sos jul­ga­men­tos, até para mudar nossa pos­tura. Só temos de res­pei­tar, aí, o limite do aten­tado ao pudor [risos].

Como você defi­ni­ria a Marcha das Vadias?
Não é rea­lity show nem car­na­val. Organizamos a mar­cha para deba­ter o machismo que atinge a soci­e­dade bra­si­leira e algo por qual toda mulher bra­si­leira já pas­sou: uma piada ou o pre­con­ceito por mos­trar mais do seu corpo. Não é como no Canadá, em que o poli­cial foi lá e disse o con­ceito de mulher estu­prá­vel. Aqui esses con­cei­tos acon­te­cem todo dia, den­tro da nossa cabeça. Nós [as orga­ni­za­do­ras] já dis­cu­tía­mos essas ques­tões, pois sofre­mos com dis­cri­mi­na­ção com as nos­sas rou­pas desde sem­pre. A Marcha foi uma opor­tu­ni­dade de colo­car no mundo o que con­ver­sa­mos entre nós. Quando uma mulher usa uma roupa mais colada, vêm logo os comen­tá­rios, e isso acon­tece muito, todo dia. Até parece que é a roupa que faz o estu­pro. Não é assim. O estu­pro vem da psi­co­lo­gia do estu­pra­dor. Independente da roupa, ele quer ver a mulher humi­lhada, sen­tindo dor e horror.

Você acha que a Marcha ape­nas pegou carona na onda de outras mani­fes­ta­ções?
Acredito que ela veio pela von­tade de levan­tar poeira, pela neces­si­dade de ir à rua. Nossas ori­gens [os três são do Sul] tam­bém con­tam muito. Vemos mui­tos exem­plos legais na his­tó­ria da nossa região. Acho que temos essa garra de lutar pelo que não con­cor­da­mos e pelo que está errado. Minha esta­dia recente no Chile tam­bém influ­en­ciou muito a criar o movi­mento. Lá, eles vão para a rua pro­tes­tar, nem que sejam 20 pes­soas. Não é à toa que tem a cidade limpa e bem menos cor­rup­ção — e eles se orgu­lham disso. Aqui, a Marcha das Vadias veio para falar de como os homens enxer­gam as mulhe­res, e de como as mulhe­res enxer­gam as pró­prias mulhe­res: com machismo e muito preconceito.

Existe algum caso que você des­ta­que aqui no Brasil ou um exem­plo mais pes­soal de machismo?
O caso Geisy é o mais mar­cante no Brasil. Até per­gun­ta­ram se essa mar­cha não tem a ver com ela, mas não. Até seria legal se ela par­ti­ci­passe, pois a Geisy pas­sou exa­ta­mente por isso. Fizeram todo aquele movi­mento por um ves­tido curto na facul­dade. De caso mais pes­soal, vemos exem­plos todos os dias. Eu des­ta­ca­ria uma vez em que um cara deu uma inves­tida pesada em mim. Sou escri­tora, blo­gueira, atriz e já posei nua. Justamente por eu ser cabeça aberta e ter mos­trado o corpo ele for­çou a barra, dizendo que só por­que eu me expus eu deve­ria dar para ele. Também posso citar minha pró­pria famí­lia: o tra­ta­mento da mulher é dife­rente. Fui cri­ada no Paraguai, onde nasci, tenho pais de cabeça aberta que cri­a­ram minhas duas irmãs e os meus três irmãos. E ima­gina, até nela tinham dife­ren­ças de tra­ta­mento. Os meni­nos tinham mais liber­dade que as meni­nas. Mamãe dizia que a mulher devia se con­ter mais e pare­cer qua­li­fi­cada, mesmo que os homens que arru­más­se­mos não fos­sem tão “qua­li­fi­ca­dos” assim.

O que seria ser qua­li­fi­cada? O oposto da vadia?
Ser vir­gem, ser com­por­tada. É aquela regra que cos­tu­ma­mos brin­car, a regra de três. Você tem que dizer que só ficou com três caras na vida: o pri­meiro foi um namo­rado de mui­tos anos, com quem foi quase casada; o segundo foi um cafa­jeste e o ter­ceiro foi aquele para quem você está conhe­cendo agora.

Vocês rece­be­ram muito apoio? E crí­ti­cas?
Até agora, temos rece­bido mais crí­ti­cas posi­ti­vas que nega­ti­vas. Mas um pro­testo assim vai ser mal rece­bido entre os libe­rais e mais ainda por con­ser­va­do­res. Para mim, feio mesmo é a cor­rup­ção, as coi­sas do nosso país que não fun­ci­o­nam. Não se mos­trar e pro­tes­tar nas ruas.

Uma dúvida que mui­tos colo­ca­ram no Facebook é “com que roupa eu vou?”. Alguém che­gou a dizer que vai nu ou algo do tipo?
Teve gente que disse que vai na Marcha de rou­pão, para abrir lá. Assim é demais. O Brasil gosta de levar as coi­sas com humor, o que é bom, mas temos a ten­dên­cia de tudo virar car­na­val. E essa mar­cha não é um cabaré ou uma piada do Casseta & Planeta. É uma mani­fes­ta­ção polí­tica que tem sig­ni­fi­cado. Vivemos em uma Hollywood Tupiniquim, onde apa­re­cer e tornar-se artista é melhor do que fazer alguma coisa que traga mudan­ças. Salvo algu­mas exce­ções, a mai­o­ria das pes­soas pre­fere apa­re­cer a agir de forma política. Eu, por exem­plo, ia de cami­seta, pen­sei em várias fan­ta­sias… mas eu deci­dir ir mesmo é de Solange. Roupa curta, decote, coladinha.

Entrevista feita aqui em julho de 2011.
Leia mais sobre o assunto aqui.
Fotos da marcha em Curitiba aqui.

69 Comentários

  1. jonnie disse:

    nao entendo as mulheres… se vestem como prostitutas mas querem ser respeitadas….

    eu adoro prostitutas e vadias… mas nunca casaria com uma …

    1. Alice disse:

      Não é questão de nos vestirmos como putas ou não. A mulher não é o que ela veste, assim como um homem. A mulher deve ser respeitada pelo que ela é e pela postura que ela tem. Eu por exemplo amo usar blusas decotadas e não gosto de ser comparada com uma puta, sabe porque? Porque ninguém nunca me viu me viu aos agarramentos com homem nenhum. Muitas mulheres que andam vestidas da cabeça aos pés tem uma conduta mais errada do que a das mulheres que se vestem como Puta.

      1. postura? que postura essas loucas peladas na rua empõem? vaga­bun­das acéfalas. Deviam estar usando esse tempo, pra trabalhar, estudar, fazer algo últil ou brigar contra o machismo de forma que imponha respeito pela sociedade.Vergonha para o sexo feminino isso!

    2. Lis disse:

      Não é uma roupa que determina se uma mulher deve ou não ser respeitada. A mulher pode e deve se vestir como queira, o corpo é dela, ela o apresenta como deseja. Em um pensamento desse “se vestem como prostitutas mas querem ser respeitadas….” você acaba concordando que é culpa das mulheres serem estupradas, e não dos marginais, o que obviamente é totalmente equivocado.

      1. Vanessa disse:

        Exatamente!

      2. VovOzaum disse:

        não é que a culpa do estupro é da vadia, ops quero dizer, mulher que se veste assim…

        mas uma coisa eu digo:

        não sou estuprador, mas acho que se eu fosse e tivesse numa rua esperando minha “vítima” passar e passasem 2 mulheres quase iguais só que uma com roupas mais provocantes eu com certeza seria mais tentado pela que se veste mais provocante!!

        não adianta gritar para mulheres e para homens de bem que sua roupa não deveria causar o estupro!! VAI CONVENCER O ESTUPRADOR DISSO!!!

        muitas vezes o cara nem saiu de casa com essa intenção mas ver a “vadia” com roupas provocantes acabou convencendo ele a fazer isso.

        MAS NEM POR ISSO A CULPA DO ACONTECIDO É DA MULHER… só estou dizendo que se voce não quer passar por esse risco não seja uma vadia…

        ou então quando o estuprador te agarrar explique pra ele que ele não deveria ter escolhido voce por causa das suas roupas e veja se ele compreende e desista!!

        o pobre policial estava tentando preservar as mulheres de correrem o risco e saiu de “vilão protetor dos estupradores”

        não quer que isso te aconteça? EVITE PELO MENOS EM LUGARES PÚBLICOS!!

        vista uma bosta de um sobretudo e tire quando chegar na festa/balada hauhauahuahua

      3. Vini disse:

        Lis, concordo contigo. Bom, sou de Salvador e o que vejo aqui é o seguinte: a grande maioria aqui curta pagode, axé e similares (eu, sinceramente, detesto. mas em fim). Nessas festas, as mulheres não apenas vão vestidas semi-nuas (literalmente… dá para ver tudo, afinal, muitas vãos em calcinha ou com fio dental.. algo assim) e, como muitos sabem, dançam aquelas “músicas” que estimulam o sexo. Isto que falarei são relatos de pessoas que frequetam esses ambientes (ou seja, relatos de terceiros, só rapasso o que ouvi. Vale lembrar ainda que NUNCA frequentei esses ambientes, por tanto pode não ser verdade total o que escrevei aqui, estou repassando aepnas a título interpretativo).

        Como visto em algumas fotos e vídeos (e os relatos) há praticamente pessoas fazendo sexo no palco. As mulhere se sujeitam aquelas letras degradantes e, para piorar, se esfregam nos homens obedecendo religiosamente o que o vocalista diz. Agora, me responda: Se uma dessas, que se esfregou no rapaz, lambeu e tal, saíd a festa vestida daquela jeito e, mais adiante é pega e forçada a fazer sexo com o tal cara (que está bêbado, provavelmente). A culpa é TOTALMENTE dele? Bom, para mim ele deve ser preso e culpado do que fez, entretanto ela deve ter sua parcela de culpa. NÃO ESTOU DEFENDENDO ELE, apenas digo que tem certos AMBIENTES que devem ser evitados e, acima de tudo e como foi dito por aqui, o que vale é a postura!

        Não precisamos ir longe: no facebook percebe-se certas fotos que estão claramente ali para mostrarem seus corpos. Ok, fazem o que querme com ele. Agora me diga, quem se expõe dessa forma é o mesmo que sair no carnaval ou em um bairro de elevado índice de assalto com o celular na mão, roupas caras, pulseiras de ouro e falando quanto tem na carteira. O LADRÃO ESTÁ ERRADO EM ROUBAR SIM!!!! Mas o mundo que vivemos hoje, infelzimente, possui pessoas que não entendem isso e acham-se no direito de tomar posse do que é seu.

        Resumindo: a mulher usar roupas provocantes não tem nada de errado. O corpo é dela, isso é fato incontestável. Agora, utilizar o corpo para provocar o outro de forma proposital, incitar nele o sexo e depois querer dizer que não queria (nos dias atuais) isso aí é dividir a culpa (mesmo que 1%) com o carrasco (que sinc
        eramente, TEM CULPA QUASE QUE TOTAL.

        Só uma ressalva: homens que também fazem esse papel de provocar e depois tiarr o corpo debaixo estão inclusos aí. Sim, isso existe hoje, porém muitos não percebem. Só que acho meio difícil uma mulher estuprar um homem…

      4. Iceman disse:

        Concordo, realmente uma mulher merece respeito independentemente da roupa que usa.
        Da mesma forma que meu carro não deveria ser roubado, mesmo que eu o deixasse aberto e com a chave no contato.
        Segundo essa lógica, não devo trancar minha casa e meu carro, mas é o ladrão que deve aprender a não roubar-me.
        Faz todo sentido mas… funciona?!?!

        A advertência que o policial fez é a mesma advertência que se faz para as pessoas não ostentarem sinais de riqueza e isso é estudado em criminologia.
        Determinados comportamentos colocam a pessoa em uma posição de potencial vítima, não são só as roupas, mas várias circunstâncias.
        Uma mulher pode usar até burca, se ela passar sozinha em um lugar deserto onde já ocorreram ataques sexuais é uma potencial vítima.
        Um sujeito andando distraído ostentando seu rolex de 50 mil em um local onde já ocorreram inúmeros assaltos é uma potencial vítima.
        Uma pessoa que saca 10 mil do banco e sai contando ostensivamente o dinheiro pela rua é uma potencial vítima.

        Mas, é claro, as idealizadoras da marcha das vadias, em seu eterno vitimismo, deturpam as coisas e pintam como vilão um cara que só quis ajudar.

        Marcha das vadias é um nada, tem um propósito que jamais será alcançado, pq o estuprador vai estuprar independente da roupa que a mulher estiver usando.
        Mas, como alguém comentou, entre duas mulheres, uma usando uma saia curta que facilite o ato e outra usando uma calça jeans, por exemplo, é lógico que o sujeito optará pela mais fácil.

    3. Camila disse:

      Machista!
      Seu caráter é tão bem definido que as aparências externas são capaz de te mudar! Você deveria refletir mais antes de postar uma coisa repugnante como essa.

      1. wol disse:

        NÓS SOMOS DESDE OS PRINCÍPIOS DO MUNDO PROVOCADOS SEXUALMENTE DESDE IDADE TENRA,PELAS sensualidade feminina .o chato e antipático é ser atiçado o tempo todo ,sem tomar partido.através do ônibus vi uma garota cuja ,calça mostrava em extremo sua sensualidade .
        todo homen faz o controle disso o tempo, mas eu pensei:
        desceria e raptaria essa vadia,ou apontaria uma hk em sua cabeça e a sequestraria? é chato ver e não ter sacou? e pior ainda ser provocado pelo oque quer .essa é rotina que as mulheres fazem nos homens todos os dias.
        somos obrigados a controlar os efeitos dessas exposições a cada instante.
        em qualquer evento ou inocentes momentos. visto que as mulheres se apresentam maliciosamente provocativas,ao seu bel prazer.

  2. Primeiro: Alice e Lis, nós SOMOS o que vestimos. A vestimenta é a primeira apresentação que uma pessoa faz às demais. Ela transmite nossa personalidade e valores.
    Segundo: Alice, se uma mulher pode se vestir como quiser e deve ser respeitada, uma mulher também deve poder se agarrar com quem bem quiser e onde bem quiser e também ser respeitada. Qual a diferença, querida?
    Abraços.

    1. Camila disse:

      Não, não somos o que vestimos. Nenhum ser humano é resumido apenas ao seu externo, tente entender isso!!!
      Somos bem mais que aparência, temos um interior, temos nossa ideologia, nossa cultura, nossos sentimentos, nossas prioridades.
      Sim, a mulher TEM que ser respeitada mesmo se agarrar qualquer um por aí. O homem é respeitando quando faz isso, não é?! Se você ainda não percebeu, isso não é capaz de deixar uma pessoa mais humana ou mais desumana!

      1. Querida, com certeza eu entendo que não somos só exterior. Em momento algum eu disse isso.
        E o nosso interior é refletido no exterior. Nenhuma garota com plena consciência de que seu corpo não é um produto vai se vestir de forma a expô-lo como se fosse numa vitrine, oferecendo-o e propagandeando-o a todos.

    2. Lis disse:

      Eu não acho que somos o que vestimos, na verdade, acho isso um pensamento muito arcaico. E mesmo se fosse isso, digo e afirmo que nós mulheres temos propriedade sobre nosso corpo, não a sociedade, se quisermos sair na rua com roupa julgada pelos outros como indecente, assim faremos, mas isso não dá direito a qualquer um vir e se apoderar do nosso corpo, seja numa violência física (como o estupro) ou verbalmente com palavras de baixo nível.

      1. Arcaico é pensar que nossas vestes não espelham o que somos. Isso é típico de quem a recém descobriu que temos um interior. O próximo passo é perceber que interior e exterior possuem uma relação mútua, onde nenhum está desassociado do outro.

    3. Mulher disse:

      Todos (homens e mulheres) somos expostos a sexualidade. As propagandas utilizam a “vulnerabilidade” humana a todo instante.
      Porém justificar um ato bárbaro como estupro alegando que a vítima se insinuou é absurdo, se concordarem com isto podemos pensar que crianças violentadas dão “indícios” que que querem ser molestadas.
      Qualquer pessoa possui o livre arbitrio de se vestir como julga melhor para si, e deve ser respeitada.
      SEXO necessita de CONCENTIMENTO, da vontade das partes, porque mesmo num casamento o marido pode violentar sua companheira da mesma forma cruel quanto um estranho.

    4. Felipe disse:

      E então uma marcha realizada no mundo inteiro é desbancada com um comentário de três linhas. Well played, sir.

  3. Ric disse:

    Primeira coisa Alice, uma mulher que tem postura, se veste com postura. (ponto) Isso serve também para os homens.

    Não adianta falar: “_ Ah! Mas tem gente que se veste de santo, mas de santo não tem nada.” A pessoa se veste de santo, pois é a forma como ela quer ser vista na sociedade.

    Explico…

    Você pode ser a Madre Teresa, se você se vestir de forma vulgar, é como uma pessoa vulgar que você será rotulada. Isso não é só pra mulheres, para homens também, o cara pode ser o Dalai Lama – seguindo a mesma linha de exemplo – se ele se veste como um maloqueiro, um largado, é como um maloqueiro que ele vai ser visto pela sociedade, e como tal vai ser tratado.

    Infelizmente a sociedade leva muito em consideração a aparência, é um conceito já embutido que vem de anos. Para a sociedade sua aparência vai dizer o que você é, mesmo você não sendo aquilo, mas é a impressão que a sociedade vai ter de você e com a qual será rotulado(a). E se você sabe que para a sociedade roupas vulgares é uma marca – por assim dizer – de mulher fácil, prostitutas, por que uma pessoa que não quer ser vista assim insiste em se vestir como tal e quer o respeito da sociedade?

    Cada um se veste como quiser, é um direito seu se vestir com roupas vulgares se você quiser. No seu caso, roupa decotada ao meu ponto de vista é normal, exalta a feminilidade da mulher, desde que os seios não estejam quase saltando para fora mal cabendo na roupa, ai além de vulgar já se torna deselegante.

    Se a mulher quer chamar atenção para seus atributos, existem maneiras de fazer isso de forma sensual e elegante e não vulgar, se ela se veste de forma vulgar é pq ela quer ser vista como tal, portanto deve arcar com o retorno que vai ter disso perante a sociedade.

    Não sou psicologo muito menos psiquiatra para conhecer como funciona a mente de um estuprador. Mas eu acredito que não é a forma como a mulher está vestida, mas sim a oportunidade que ocasiona o crime. Só que o estuprador é também uma pessoa que vive na sociedade, por mais desvios comportamentais e de caráter que ele tenha, os valores e rótulos da sociedade estão impregnados em sua formação, inclusive os de que mulher com vestimentas ‘vulgares’ são mulheres fáceis e tudo o mais. A culpa da ocorrência do estupro não é da mulher, mas se ela se posiciona em aparência perante a sociedade como uma pessoa vulgar, mesmo ninguém tendo o direito de fazer, ela sabe que vai ter assédios e coisas piores, pois é o conceito de julgar pela aparência que a sociedade conhece e tem como valores.

    1. jose antonio disse:

      muito bem, concordo plenamente com vc Ric, a dita “sociedade” nos julga primeira e primordiamente pelos nossos trajes…
      um exemplo saindo da linha “dalai lama e madre teresa”… um advogado trajando um tenis sujo, calça jeans rasgada, e uma camiseta do “ACDC” black tambem rasgada, nao poderia por exemplo entrar no forum de sua cidade pra pra verificar o andamento de um processo pq logo seria barrado na entrada por nao trajar uma vestimenta adequada.
      se vc quer respeito, primeiramente imponha isso a vc mesmo, a lei da atraçao diz que vc recebe do mundo aquilo que envia, se vc nao respeita a vc mesmo, como pode esperar que te respeitem??
      roupas decotadas, justas ou curtas nao tornam uma mulher vadia mas sim como sao usadas e a propria atitude da mulher é q a tornam vadia.
      o deliquente que se aproveita de mulheres primeiramente procura oportunidade depois um apelo sexual, seja uma saia curta, um decote a mostra, ou mesmo um simples fetiche dele, cabelos vermelhos, boca carnuda, seja o que for ele vai observar antes de atacar…
      nao é a livre escolha, ele estuda antes, se nao querem ser estrupadas nao facilitem, observem por onde andam, procurem se julgar antes dos outros, observe se sua vestimenta esta de acordo com o que quer passar ao mundo.
      quem sabe ae consigam um pouco de respeito e ate mesmo quem sabe atençao merecida, nao pelos belos dotes a mostra mas pelo seu intelecto, pelo seu bom humor, pela sua beleza rela e nao a artificial.

      1. jose antonio disse:

        corrigindo:
        beleza real e nao artificial.

  4. Renato disse:

    A matéria ficou muito boa Vanessa.
    Mas o que é incrível é como a maioria da sociedade não consegue evoluir e ver realmente a finalidade desse protesto.
    Anos e anos de repressão sobre as mulheres não as impediram de se manifestar suas opiniões e mazelas que cada uma passa no seu dia dia em casa, no trabalho, no onibus e etc. Esse momento é oportuno para que elas se mostrem. Essa forma de “vadias” é a maneira mais eficiente de chamar a atenção é se colocando também na única forma que a maioria dos homens consegue ver sua namorada, esposa, irmã, prima e até mãe, num contexto geral, sendo só uma serviçal, seja sexual ou seila.
    Logo se vê também que, até mesmo pela maioria dos comentários, essa discussão ou protesto ainda se perde até mesmo entre as mulheres que pensam mais no vestir do que qual direito ou causa defender. E isso sim acaba sendo o principal direito a ser defendido, o de poder sair semi-nua pra ir a padaria e não ser julgada ou apontada.
    A própria midia fará isso, pois também é machista e focará nas mulheres gostosas com pouca roupa na rua. E não será o jornal nacional ou cnn a captar as imagens e sim o Pânico!
    “Vadias” é o chamaris para a causa e não ela própria!

  5. Felipe disse:

    BLa bla bla bla puta puta, bla bla bla bla viados, bla bla bla bla, frescura anal, bla bla bla

  6. Barbara disse:

    Cara eu acho hipocrisia falar q a roupa n faz diferença, pq faz sim.
    Quem nunca aqui quis matar uma mulher de decotinho e minissaia dando em cima do SEU namorado?? Como é msm que se diz? Vaca, vadia, piranha, piriguete… bla bla bla

    Eu acho que roupa faz diferença, eu não ficaria com um cara vestido feito um pé rapado, não ficaria com um cara sem camisa se achando o gostosão, não ficaria com um cara vestido de marginal.
    A roupa é nossa apresentação SIM. A gente escolhe a roupa que a gente quer usar, o que a gente quer passar pro mundo.
    Esse é o PONTO UM.

    Passando para o PONTO DOIS:
    Estupro e abuso sexual.
    Aí sim. Eu acho que mulher NENHUMA, seja piranha, não seja piranha, com decote, sem decote, de fio dental, de maiô, ROUPA NENHUMA é motivo para minimizar ou desqualificar um CRIME, que é o estupro e o abuso sexual.

    Não curte mulher com minissaia? Não casaria? Não namoraria? Acha coisa de piranha?
    Blz. Essa é a SUA OPINIÃO. Então não fica. Pronto. Simples.
    Agora n vem tentar passar a mão na bunda e depois dizer que “ela tava pedindo”.
    Essa mentalidade pra mim que é o maior perigo.

    1. Iceman disse:

      Concordo plenamente com o ponto de vista.
      Não é porque a mulher anda pelada na rua (só para ilustrar o argumento), que o corpo dela se torna público.
      Não é pq essa mesma mulher se senta de pernas abertar em algum lugar que dá o direito de qualquer um enfiar o pau.
      Mas, por outro lado, é uma questão de cuidado.
      Se sou rico e sei que corro o risco de ser roubado e sequestrado, pq vou valorizar exatamente aquilo que os criminoso visam?
      Pq vou sair ostentando roléx, correntes de ouro etc.
      Claro que o errado é o criminoso que rouba, assim como o estuprador, mas pq eu (ou a mulher no caso de estupro), enquanto vítima, vou facilitar as coisas?
      Pelo contrário, vou é dificultar.
      Numa sociedade ideal, deveriamos ter a liberdade de fazer o que quiséssemos, dormir com as portas de casa abertas, deixar o carro com a chave no contato e ninguém mexer, já que é propriedade nossa.
      Com as mulheres deveria ser a mesma coisa, elas deveriam poder andar de qualquer jeito, sem correr o risco de ser molestadas.
      Contudo, não vivemos numa sociedade ideal e os criminosos não cumprem a lei.

    2. concordo com tudo q você disse
      :))

  7. Gustavo disse:

    Acho isso tudo muito bom! Acredito que as mulheres devem se vestir como quiserem e lógico elas nunca vão ser culpada pela violência de terceiros… mas tenho que fazer uma ressalva.
    Esse caso me lembra quando o Luciano Huck ficou puto por que roubaram o rolex de ouro dele enquanto ele ia para padaria.. ai ele fez todos aqueles desabafos nas revistas e tudo mais.

    A culpa foi do ladrão? LÓGICO QUE SIM! Ele merece pagar por seus crimes e tudo mais… porém temos que levar uma coisa em mente… se eu fosse ele nunca sairia com um rolex para ir para uma padaria… claro que num mundo ideal nada aconteceria, mas nós não vivemos num mundo ideal.

    Agora o ladrão e esturprador vão roubar e esturprar de qualquer maneira que você se vista, a culpa é inteiramente deles, porém se um ladrão vê uma casa sem cerca elétrica ele estaria mais propenso a entrar nela não? O que estou dizendo é que de um modo ou de outro esses crimes violentos vão acontecer e a culpa é unicamente de quem faz esses crimes, mas também acho que devemos tentar nos proteger.

  8. Mulheres querem acabar com o machismo mas esquecem que são feministas.

    1. Carol disse:

      Feminismo não é o contrário de machismo. Leia teorias sobre gênero,antes de falar o que você não sabe! O feminismo é um movimento que busca a equidade entre os gêneros.

      1. Fernando disse:

        Acho que o feminismo nada tem a ver com igualdade, tem a ver com satisfação de ego e ódio irracional contra os homens.
        Minha teoria se apoia no exemplo de que o feminismo quer salários iguais para homens e mulheres, mesmo sabendo das limitações das mulheres para certos serviços, mas na hora de pagar a conta do restaurante ou do motel, a obrigação obviamente ainda é do homem, esse é só um exemplo existem mil outros exemplos, não quero me alongar, só digo que o feminismo quer apenas ter todos os direitos sem ter nenhum tipo de obrigação, como o fato de ter o direito de sair vestida como uma piranha e não encarar a obrigação de ser avaliada pela sociedade como tal.NÃO ACHO QUE SEJA CULPA DA MULHER O FATO DE SER ESTUPRADA, deixo claro pois as vezes o ódio contra os homens deixa algumas mulheres cegas para os fatos.

      2. Carol disse:

        Não, você está equivocado. As mulheres tem o mesmo direitos a salários e oportunidades de trabalhos que os homens. Sua ideia esta embasada em uma questão social bem arraigada. O feminismo busca a equidade entre homens e mulheres, busca que sejamos vistas com o mesmo respeito e com a mesma competência. Diferenças fisiológicas não nos diferenciam na capacidade de agir. O fato de nossos salários serem menores é a desigualdade entre os direitos. E em relação à conta do restaurante, motel, hotel, isso também é fixado socialmente, cabe a nós, mudarmos isso. Muitas mulheres já não se prendem a essas regras, que na minha opinião é um reflexo daquelas funções sexualmente demarcadas: O homem trabalha e a mulher é a escrava do lar(ela nem recebe para isso). Acredito que mulheres que não se dedicam apenas ao lar, que possuam renda, atualmente, podem e devem arcar com suas despesas. Além de tudo, você diz sobre mulheres terem limitações, tente trabalhar em turno integral e chegar em casa e ter filhos e um marido para cuidar, onde está nossa limitação? A nossa fragilidade? Eu, realmente, não sei onde ela está!

      3. Fernando disse:

        Olha Carol, Essa teoria que você está dizendo é até muito legal, mas ela fica só na teoria, você sabe que isso não acontece na pratica.Outro exemplo do porque o feminismo não busca igualdade, vou te mostrar com uma simples pergunta.Você já ouviu falar em pilulas anti-concepcionais para homens ?Aposto que não, porque as feministas e o homens capachos de feministas(que diga-se de passagem existem aos montes) vetaram com um argumento dizendo que o direito de escolha sobre ter ou não um filho é somente da mulher. Agora me explica aonde está a igualdade nisso ?Lembre-se é uma pergunta simples, por favor não fique dando voltas sobre ideologias feministas sem me responder ela primeiro.

        Sobre as limitações eu queria dizer das limitações físicas mesmo, força por exemplo, existem diversos trabalhos que exigem força e outros tipos de atributos que as mulheres infelizmente não tem, isso não discriminação é um fato, e pra provar isso eu te pergunto.Imagine que você quer dar uma festa, e precise de um segurança, você contrataria um homem ou mulher, pense racionalmente e verá que a resposta obvia é um homem, sem discriminação nem nada o homem eh apenas mais forte, em sua grande maioria.O mesmo acontece nas obras e etc…

        Adiciono também que você nem outras muitas mulheres por ai NÃO querem ser tratadas igualmente, se você concorda comigo sobre a afirmação ainda e mesmo assim ainda quer os direitos que os homens tem, então eu tenho uma péssima noticia, você como muitas outras mulheres querem apenas os direitos sem ter nenhuma obrigação.

        Fique claro que eu não sou a favor do machismo nem nada disso, muito menos o feminismo, se ele apoiasse mesmo a igualdade eu seria a favor mas esse não é o caso, eu sou a favor da igualdade mas de duas maneiras, ou serem iguais nas nossas desigualdades ou seremos iguais literalmente(oque eu acho impossível), então sim em algumas funções as mulheres devem ganhar menos, em outras a mesma coisa, isso não é machismo é a realidade.

        OBS1:Não quero te ofender de maneira nenhuma, que fique claro.
        OBS2:A igualdade nunca sera alcançada pois não somos iguais.

      4. Miriam disse:

        Fernando, infelizmente você tem a mente da maioria masculina que pensa que a mulher é um ser frágil e totalmente dependente.

        Quem disse que a mulher não paga a conta do motel ou do restaurante? Quantas vezes eu já não paguei as contas INTEGRALMENTE porque meu namorado estava quebrado de grana? Rachar a conta não é uma coisa normal pra você? Então digo que você até hoje só conheceu mulheres sem personalidade e apegadas a conceitos machistas do passado.

        Seus argumentos sobre igualdade salarial são RIDÍCULOS. Um homem é e sempre será o escolhido para ser trabalhador de uma obra, ser segurança de boate, É ÓBVIO. O que a Carol quis dizer é sobre os trabalhos que podem ser exercidos igualmente entre os gêneros, pois não dependem de força FÍSICA. E você sabe que esses trabalhos são a maioria.

  9. Reegonato disse:

    Como já esclareceram acima, se um CRIMINOSO for estuprar, a mulher pode estar até de burca que não adiantará nada, então a questão da roupa nesse caso é irrelevante, este protesto com os peitos de fora nada mais é do que para chamar atenção e tentar camuflar o verdadeiro sentido do protesto, se vestir como prostituta e ser tratada como “mulher de família”, ou seja, se comportam como vadias, se vestem como vadias, mas não querem ser tratadas como vadias…

    Outra coisa, vocês acham que os CRIMINOSOS ESTUPRADORES vão dar bola pra “protesto”? Esse “protesto” só atinge os homens de bem que vêem essas asneiras no jornal todos os dias.

    Vocês estão passando a mensagem “Olha, não me estupre se eu estiver vestida como vadia!”, subliminarmente fala que eu e todos os homens são estupradores em potencial, ou seja, chega o carnaval todo homem vira estuprador.

    Se você é homem nunca se deixe levar por essas asneiras feministas! Acesse meu blog e acorde pra vida!

  10. Marcos - RS disse:

    Vejo que as mulheres apoiadores desta campanha, precisam repensar seus ideais, primeiramente refazendo toda campanha. “Marchs das Vadias”. A façam mil favores, o que vcs acham que conseguiram passar aos outros ja começando com o nome da manifestação, isso sem falar nos cartazes e nas vestimentas (não quero nem tocar no assunto pois ja ta batizado nos comentários anteriores). Pelo amor, usem a cabeça e pensem um pouco mais. Só tenho um exemplo a dar referente as roupas ousadas e provocantes: Tenho quase certeza de que as mulheres não se vestem para elas e sim para as outras mulheres e os homens.
    EX.: vestirem uma roupa logo em frente ao espelho, lhes vem a seguinte pergunta a cabeça. Será que estou bonita, atraente, gostósa?
    E quando se vestem junto com as amigas para ir a balada.
    EX.: “Hoje vamos arrasar, estamos gostósas amigas”.
    Ai vem esse bando de mulher me falar que querem usar roupas provocantes sem serem provocadas. kkkkkkkk.
    E sobre os estupros, é bem como um dos amigos falou: Os estrupadores não ligam só para as vestimentas e sim num contexto geral. Eles olham algum detalhe na mulher que chamou sua atensão e satisfaça seu fetiche.
    Bom é óbvio que nós homens adoramos ver mulheres lindas vestidas sensualmente, mas não confundam sensualidade com vulgaridade. Bem, sem mais comentários.

  11. Carol disse:

    Primeiramente, o nome da marcha surgiu após um policial dizer em uma palestra na Universidade de Toronto, que se as mulheres não andassem como vadias, elas não seriam estupradas. Todas as meninas que foram estupradas estavam de moleton. Segundo, um homem, de forma alguma, tem o direito de tocar em uma mulher sem que ela queira. Além disso, se essa lógica machista de andar de roupas curtas é sinal de “querer sexo”, homens sem camisas estão sujeitos e querem ser estuprados, vocês não acham?
    Outro problema, uma prostituta, uma freira, uma advogada, uma artista, todas são mulheres, todas devem ser respeitadas da mesma forma. Independente do que vestem, no que trabalham. A Marcha tem o sentido de mostrar isso,a importancia do respeito por um outro ser humano. Milhares de mulheres de burca, de moleton, de calça jeans, de shorts, são estupradas diariamente. E a culpa não são delas. O estupro NUNCA é culpa da vítima. Culpar a mulher é sempre mais fácil.

  12. kariocka disse:

    Sabe o q é engraçado nisso td!? ver homens com suas ideologias machistas e mulheres com suas ideologias feministas kda qual defendendo seoo ponto de vista e sabem onde ssa discussão vai dar!? em lugar algum, sabem pq!? pq tda feminista vai continuar sendo feminista e td machista vai continuar sendo machista…
    sou homem, sou hétero e sou machista sabe pq!? qp vc crescer aprendendo a ser machista, não acho q a mulher é o q veste, mas sei q ninguém, nem msm outras mulheres vão encará-la como uma mocinha de familia ou algo do tipo dependendo da vestimenta, sei q qualker rou pa por mais provocante q seja não justifica o estupro, mas axo q em alguns casos uma roupa menos ousada poderia evitar o ocorrido e eu disse (alguns casos)
    naum me interpretem mal mulheres eu as amo, sou louco por vcs, e nada seria de mim aos 25 anos de idade sem minha namorada ou as mulheres q passaram por minha vida até msmo minha própria mãe, mas venhamos e convenhamos pra q esse ataque frontal a sociedade!? sim façamos uma marcha para dizer q as mulheres tem direito de sentir prazer sim, de se vestir como kiserem sem ser estupradas, mas sem desvalorizarem-se tirando a roupa na rua, dando o nome de marcha das vadis…auto denominando-se vadias…
    vcs são lindas, quase q perfeitas e homem hétero algum nesse mundo conseguiria viver sem vcs, mas sério apenas valorizem-se mais, vi um comentário acima q a garota diz o homem qdo faz e acontece com várias mulheres (naum com essas palavras) naum ´pe feio pra ele, mas isso não é feio pelo pensamento machista q reina em nossas kbças, para as mulheres seria feio uma mulher transar com 10 caras numa noite pq até suas próprias amigas a axariam uma vadia ou seja mulheres tbm (nem todas), mas tbm têm pensamentos machistas….
    façam apenas uma coisa mto simples
    VALORIZEM-SE
    se kiserem ser trastadas como princesas ajam como tais
    se kiserem ser tratadas com amor e carinho…dêem e receberão tbm
    se o cara for um babaca icapaz de lhes proporcionar isso caia fora e vá atrás de algm q possa lhe proporcionar isso fazendo isso estão se valorizando, amando vcs primeiro e dpz os outros
    agora se kerem ser vistas como um pedaço de carne façam com q as usem como um pedaço de carne
    se kerem ser vistas como vadias comportem-se como tais, mas se aasim preferirem dpz naum venham xeias de si fazendo passeatas e td mais acitem q essa foi a escolha q fizeram, simples assim
    sejam oq kiserem ser, mas cientes de q ações têm reações
    ok!?

    1. Ações podem ter reações, mas estupro jamais será uma reação aceitável, pura e simplesmente. Culpar a vítima também não.

  13. Bom eu ete concordo parcialmente com o assunto abordado, não sou uma pessoal de opnião muito relevante pois tenho 14 anos de idade mais na minha opnião um mulher pode sim se vestir como quer desde de que ela esteja em um local apropriado para aquela vestimenta.E homens também sao julgados por sua vestimenta pois sejam sinceros com vocês mesmos vocês sentem medo de ser assaltados e serem alvos de crimes sempre que veem um homem com postura ou vestimenta estranha ou até muitas vezes uma vestimenta simples, e mesmo assim a sociedade começou maxista e querendo ou não isso nao irá sumir de uma hora pra outra pois foram atitudes de séculos e nao serão vencidadas em algumas decadas.
    Bom essa foi minha opnião sei que muitas mulheres irão descordar mas é minha opnião então fiquem a vontade com as críticas OBRIGADA

    1. Me desculpem pelos erros de portugues *–*

  14. Usem relógios de ouro, exibam as joias e deem bobeira com o seu carro. Façam bastante propaganda para os ladrões. A culpa dos assaltos é dos criminosos, não de quem é assaltado. Se um policial diz para não dar bobeira em locais desertos ele não está desrespeitando o direito dela ir e vir, está apenas ensinando a não atrair os criminosos. Duvido que os estupradores estejam se importando com essas manifestações. Estupro não é machismo, é CRIME. A culpa com certeza é do estuprador e não da estuprada, só que duvido que os estupradores se importem de quem é a culpa. Penso que as feministas têm muitas reivindicações “sem noção”.

  15. A sociedade diz para a mulher: “não seja estuprada”, ao invés de dizer para o homem: “não estupre”. É isso o que o protesto quer mostrar: que a responsabilidade sempre recai sobre a vítima. É isso o que as pessoas estão custando para entender: se uma mulher é estuprada, vão dizer: “mas também, olha como ela estava vestida”. É isso que tem que parar.

    É óbvio que as marchas não vão diminuir os índices de violência sexual. O objetivo é chamar a atenção da sociedade para a culpa que sempre é imposta sobre a mulher.

    1. A reinvindicação neste caso não é para que os estupradores assumam a culpa ou deixem de culpar as mulheres. A reinvindicação é para que a SOCIEDADE pare de fazer isso. As autoridades, os políticos, os policiais que devem atender uma mulher vítima de violência sexual, a família desta mulher…

      Numa situação em que a pessoa tem sua dignidade violada e é submetida a intensa pressão emocional, atitudes como essa de ficar dizendo “você não devia ter saído vestida daquele jeito” não ajudam em nada a resolver o problema e na recuperação da vítima.

  16. S. disse:

    Caramba, só pelos comentários desse post dá para ver que ainda existe muito preconceito. Seguinte, eu tenho dezoito anos e NÃO GOSTO de usar roupas muito curtas ou coladas, por exemplo. Vocês sabem o que eu faço em relação a isso? SIMPLESMENTE NÃO USO. É uma ignorância muito grande ficar julgando as mulheres pela maneira com que elas se vestem, e dizer que isso é justificativa para estupro e coisa e tal. Cada um tem o direito de fazer o que quiser, desde que isso não prejudique outra pessoa. E se a guria é mesmo “vadia” e quer dar para quem quiser, o problema é dela, ninguém tem nada a ver com isso. É tão difícil assim não se meter na vida dos outros?

  17. S. disse:

    E ah, sim. Eu achei o nome da Marcha e as vestimentas bem chocante até, admito. Mas não tão chocante quanto a quantidade de mulheres que são estupradas ou violentadas todos os dias! E não interessa o “mimimi ela estava se vestindo vulgarmente mimimi”, deve ser ensinado ao homem não estuprar/violentar a mulher, e não a mulher a ser recatada para não correr riscos.

  18. patricia disse:

    Só me respondam uma coisa… Pra quem concorda com a marcha e tal… Seu namorado pode entao olhar sem problema para essas meninas, fazer amizade inocentemente? Ou na mesma hora essa menina vivará galinha.. vaca.. e ladeira abaixo??? hipocrisia modeOn

    1. Junior disse:

      Você acha que estas mulheres tem namorados? Em raríssimos casos elas tem namoradas.

  19. paulo heit disse:

    O que mais vi são opiniões xiitas dos homens e principalmente das mulheres.
    Um: a mulher tem todo o direito de se vestir do jeito que desejar. Uma minissaia e um top não muda em nada a visão que tenho dessa mulher. Se a roupa determinasse o caráter de uma mulher erá só colocar nelas as roupas que determinassem as características que busco em uma mulher e estava pronto. Agora, a mulher que escolher usar roupas curtas tem de saber que todo o tipo de homem vai olhar. Isso é o preço que a mulher vai pagar. E a mulher que optar por usar roupa curta não vai poder impor aos homens que não quer ser vista. Se ela está mostrando as pessoas vão querer ver. Agora ver é uma coisa, sair agarrando é outra completamente diferente. Estupro é condenável estando a mulher pelada ou vestida com roupa de astronauta. O fato da mulher ser mais dada não me dá o direito de agarrá-la sem permissão ou vontade dela e justificar que as roupas dela despertaram meu desejo. Essa é a atitude condenável. A mulher tem todo o direito de usar o tipo de roupa que desejar, mas sabendo que se usar uma roupa que revele demais, os homens vão olhar e desejá-la. E isso as mulheres não podem impedir.

  20. Junior disse:

    Olha, existem alguns ângulos para se olhar esta questão:
    1) Existem Mulheres que gostam de Homens, e Mulheres que não gostam de Homens.
    2)Dentre as que NÃO gostam de Homens, existem as exibicionistas, que se vestem para outras mulheres.
    3)Dentre essas EXIBICIONISTAS existem as radicais, que se expõesm ao máximo para conquistar suas parceiras. São estas que pensam que todos os homens querem estupra-las.SONHAM!!

  21. Junior disse:

    Realmente, A SAIA CURTA, E O DECOTE de certas mulheres não tem nada a ver com os Homens. Tem a ver com a insatisfação com sua sexualidade, e em atrair outras mulheres. Só isso!!!

  22. Thiago disse:

    Se partirmos do pressuposto que TODA a ação ilicita seja culpa do criminoso, então a passeata está, de certo modo, excluindo outros vários artigos. Creio que se fizessem uma passeata pedindo um reinforço na proteção dos bens juridicos, seria algo que iria agregar mais participantes. Se formos fazer passeata para tudo o que nos dão de “dicas” para evitar certos incomodos, não sairiamos das ruas, pois aposto que já receberão informaçoes sobre como se vestir para ir em determinados locais, o que fazer quando ocorrer fatos, etc…

  23. Marlon disse:

    Marcha das vadias, mulheres brigando pelo direito de andarem como putas, se portarem como putas, se vestirem como putas, mas não serem chamadas de putas…

    Cada uma viu… Vão procurar o que fazer

  24. Nina disse:

    Roupa reflete sim a personalidade de uma pessoa. E acredito sim que usar um vestido “Geyse Arruda” em uma faculdade, foge do bom senso…

    PORÉM…

    Mesmo uma mulher estando completamente NUA, nada e ABSOLUTAMENTE NADA justifica um estupro ou um abuso seja físico ou verbal.

    Nenhuma mulher por mais que esteja vestida com roupas que a sociedade julga inadequadas, vulgares e etc… está pedindo para ser violentada ou coisa do gênero…

  25. Fred disse:

    Não sou a favor dessa marcha, acho que não serve pra absolutamente nada pois não vai mudar a cabeça de quem é doente (estuprador). A guria pode ser uma puta, se vestir como puta, agir como puta que não dá o direito de ser estuprada…No entanto, é o mesmo caso de eu ir com um relógio caro, roupinha de marca no centro da cidade…to pedindo pra ser assaltado pois o ladrão ta cagando pra questão social.

  26. por isso atrasa o almoço

  27. Ly disse:

    Dá nojo a maioria dos comentários aqui. Só prova o quanto a nossa sociedade é machista!
    Eu concordo sim com a marcha das vadias! A culpa dos abusos e estupros é do estuprador, nunca da vítima, esteja ela de burca ou de minissaia.

  28. Oswaldo disse:

    Duas palavras pra vocês Ana Hickmann, ela é linda e sexy sem ser vulgar. Simples assim.
    Ninguém tem o direito de violentar uma mulher independente de estar pelada ou de burca, porém querer ser respeitada, ou querer que todo mundo ache lindo, espera aí não é assim que a banda toca. Pra ver acho lindo, desfilem peladas pelas avenidas(só as bonitas por favor), mas pra ter algo sério, sinto muito “A mulher ideal deve ser dama na mesa e puta na cama….(Nelson Rodrigues)”

  29. Alysson disse:

    Lamentável essa discussão, tantas pessoas alienadas a “padrões”…. A cada “dia” q passa os valores mudam. Mas é mesmo NECESSÁRIO essa exposição, as vezes vulgar, para mostrar (de acordo c/ esse padrão idiota) o que é “bonito”? Como a futilidade da lugar a necessidade hj em dia…. realmente LAMENTÁVEL. Não estou falando que estão erradas ou certas. Mas concordo que a culpa é do estuprador. Todos nós sabemos (ou deveria) que essa sociedade idiota ensina cada ser humano q nasce a julgar e valorar pela aparência, e mesmo que vc se importe ou não com o que os outros pensam de vc, eles te julgam pelo o que vc PARECE SER, e isso também é LAMENTÁVEL. Uma salva de palmas para a futilidade da sociedade, pq a hipocrisia merece uma medalha…

    1. Arthur disse:

      é foda mesmo… aparentemente aconteceu um caso desses na UFMS a cerca de alguns meses, o pior foi um parecer da faculdade dizendo que os seguranças são seguranças PATRIMONIAIS e não seguranças para as pessoas o trabalho deles seria zelar apenas pela “segurança” da parte material da faculdade e não da humana.

  30. Arthur disse:

    Olha, vou dar o MEU ponto de vista mas antes vou resumir o tipo de pessoa que sou, faço analise de sistemas na UFMS, não tenho o custume de sair e sobre hipótese nenhuma eu fico como as pessoas dizem hoje em dia, ou é namoro a sério ou é amizade(nem amizade colorida… sexo só com namoradas sérissimas). Em suma é isso, sobre esse assunto que vou falar só agora pq faz um tempinho que n venho no malvadas, não vou dizer que é pra todas mas a maioria das mulheres que se veste com roupas curtas chamão a atenção, não acho que justifique o estupro mas tem varias mulheres que se vestem assim ai chove cafageste na delas e elas reclamam que os caras levam ela pra cama e chutam elas, ver sua namorada de roupas curtas é sim excitante mas a exemplo não ficaria feliz se minha namorada saisse assim na rua ja que quando a conheci ela vestia blusa, calça jeans e ouvia rock, por hora ela continua assim e eu amo ela do jeito que ela é, mas mulheres vcs gostam de se vestir com roupas curtas a vontade mas fiquem avisadas isso atrai homens que não querem NADA sério, então se vcs estão buscando um relacionamento sério procurem mesmo e não queiram que os garanhões das boates e festas se tornem somente seus pq isso pode até acontecer mas é BEM dificil. assim como os caras nunca vão conseguir “domar” uma daquelas Deusas que aparecem nesses mesmos lugares.

  31. Daniel disse:

    Tá, agooooora entendi. Disse um especialista brasileiro algo parecido também e que no verão o índice de estupros aumentavam. Mas culpar a roupa é algo muito artificial. Seria como não compre carro para não ser roubado. Foram todos infelizes, principalmente o policial canadense

  32. Marcos disse:

    Eu só acho curioso que metem o pau (com razão) no comportamento cafajeste do homem. Daí fazem protestos reivindicando serem tão “vadias” quanto os homens e querendo o respeito que elas mesmas não tem pelos homens “vadios”.

  33. Danilo disse:

    Falta bom senso, usa a merda da roupa que quiser e faca o ke kiser, mas por favor olha bem para onde vc vai andar com essa roupa, quer dizer, é como um relogio de ouro, ninguem tem o direito roubá-lo apenas por que vc está o exibindo, mas um criminoso de verdade não vai se importar com isso,ele não liga para marchas ou campanhas, infelizmente as roupas curtas nao diferenciam, é seu direito usa-las, mas vivemos em um mundo violento, entao pense bem no lugar que vc vai usá-las, agora ficar fazendo todo esse estardalhaço por causa do comentário do guarda, protesta por seguranca na rua para prender os estupradores, pois esses são as ultimas pessoas da terra que vao entender algo com essas “marchas”.

  34. byrdkka disse:

    Para mim, isso é só uma bela palhaçada pra aparecer :) Eu entendo “vestir” em três níveis: exageradamente coberto, normal, e quase nada… Eu me visto exageradamente coberta, mesmo no calor, mas porque EU GOSTO assim, não acho ruim e muito menos sentiria ciúmes do meu marido, se uma moça de vestido colado e curto passasse ao lado dele e ele olhasse(até porque dificilmente ele faria isso). Se vestir que nem uma panicat pra sair nas ruas é exatamente um quase nada. Tem que ter bom senso. E complementando e concordando perfeitamente com o que o danilo disse, se quer se vestir feito uma panicat,vista-se, o direito é seu, mas tem hora e lugar pra isso. E como ele mesmo disse, um maníaco não vai pensar que “não posso estupra-la por causa da marcha das vadias”. Aqui no Brasil, pelo menos até onde eu sei, não existe isso de “ela foi estuprada por causa das roupas que usa” então essa marcha é totalmente inválida, é só mais uma forma de aparecer…

  35. MestreJaga disse:

    Bando de vagabunda, pqp. Se veste como puta e quer ter tratamento de rainha. As verdadeiras mulheres dessa sociedade não são essas cavalas que querem mostrar suas curvas pq carecem de outras qualidades.

  36. Gabe disse:

    “Segundo a teoria pela qual uma pessoa psicopata é uma pessoa perversa, supõe-se que nesta classe de doença, o doente é um sujeito que se mantém a par da realidade, mas que carece de Superego. Isto faz com que a pessoa psicopata possa cometer atos criminosos sem sentir culpa.”

    Acho que isso diz tudo, né? Tua mãe deve ter usado biquíni alguma vez, aquela puta.